é só mais letras.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Apenas alguns minutos.


O crepúsculo do fim da tarde, já havia ultrapassado o fino vidro da janela do meu quarto. Aqueles fracos raios de sol refletiam nos olhos dele deixando-os com um tom verde claro. Eu não sabia como falar, percebi que ele já havia notado algo diferente em mim. Pude perceber também que viu as minhas malas na porta.
O olhar perfeito dele não cruzava o meu, (se eu não o conhecesse falaria ate que tava com medo de saber o que tava acontecendo.) estávamos perto, mas mesmo assim o abismo entre agente era muito grande. Eu não queria falar nada, na verdade eu não sabia o que falar. Tava tudo escuro na minha mente.
-Desculpa- Com minha fina voz de choro falei, tentando quebrar o silencio e o clima tenso no quarto, mas acabei piorando a situação.
Ele ficou em silencio por alguns instantes, sentou na beira de minha cama lentamente, passou as mãos no cabelo abaixou a cabeça e perguntou:
-Desculpa? É só isso que você tem pra me falar?
-Sim- respondi com um nó na garganta, mas na verdade não era. Minhas emoções se manifestavam através da minha vista marejada, o que eu QUERIA falar para ele era totalmente diferente do que eu DEVIA falar. Eu queria falar mais coisas, coisas que eu nunca disse, coisas que somente eu sabia coisas incontroláveis, impulsivas, sinceras, puras, verdadeiras, individualistas, coisas que meu coração implorava a ser colocadas pra fora.
Ele levantou olhou pra mim com o rosto molhado de emoções, caminhou ate a porta como quem vai embora, naquele momento senti muito medo. Então gritei:
-Eii espera! Vai embora?-Eu Tava desesperada não queria que ele ficasse assim, a saudade não cabia mais em mim e escorria pelo meu rosto.
Ele se virou pra mim agachou no chão, se encostou na parede e disse:
-Queria, queria muito -fez uma pausa e continuou: - ter a coragem de te deixar, já que vai embora amanha, mais não consigo!
Me senti aliviada de certo modo percebi que as promessas feitas por ele eram verdadeiras, e tive a certeza de que ele gostava de mim. Caminhei ate ele me ajoelhei, segurei a mão dele e disse com toda sinceridade:
-Te amo, queria muito ficar com você, mas você sabe que tenho que ir. Não tenho outra opção.
E então ele me aconchegou em teus braços, me dando um abraço que me fez esquecer o mundo.
-Okai! Entendo seu lado. - me disse.
-Obrigado- respondi aliviada pelas mentiras ditas.
-Quando você vai partir?
-Amanha de manhã- disse eu um pouco assustada pela tão mentira facilmente contada.
-Posso passar a noite aqui?
-Claro!- respondi com um sorriso sarcástico aliviada por te-lo em meus braços ate ele dormir! e um pouco confusa, o que ele iria pensar quando acordasse e não me visse ali? (Alinne Ferreira)
Existem alguns sonhos que não podemos deixar de acreditar, talvez isso tudo que escrevo sejam sonhos que as outras pessoas deixaram pra trás. E meus sonhos? Ah esses já não existem dentro de mim ha meses. *Leitoras(res) Comentarios me incentivam a postar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se for para falar: '-Legal aqui, estou seguindo!'
Vai por mim, não precisa.

Obrigada a quem acompanha