é só mais letras.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013


sexta-feira, 22 de novembro de 2013

V, ainda posso escrever pra você ler?

preciso dizer… às vezes eu quero que cê exploda. exploda com tuas moças dentro do teu quarto, com teus incensos e seus sons. e com a tua paz. LEVA JUNTO TODOS OS MEUS POEMAS. TODAS AS MINHAS CONFISSÕES. explode junto essa falta que sinto, esses tropeços que dou só de pensar. explode junto o mundo! pra eu não receber mais os teus sinais…

ou não inventá-los mais. tem hora que eu penso só assim ser possível você sumir de mim.
aqui de dentro.
igual eu sumi de você.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Tira a maquiagem pra que eu possa ver
Aquilo que você se esforça pra esconder
Agora somos só nós dois, já podes parar de fingir
Mas cala essa boca e me diz com o olhar
Quem era você até me encontrar?
Se agora és diferente
O que eu fiz que te fez mudar?

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

 Você tá sempre aí.
Sentindo todas as coisas do mundo.,as que ninguém quer ,e as que você merece sentir.
Você tá sempre aí.
Sentindo tudo.
Todos, o mundo.
Tantas e tantas coisas,pessoas, pacotes e furos.
Mas continua sozinho,
sem ter com quem dividir o caminho.
No mesmo trajeto
, nada secreto
por onde ninguém quer passar.
Você tá sempre só porque essa sua dor é difícil demais de carregar.
Ninguém quer dividir, ninguém quer engolir
seus dramas mexicanos na tv.
Vale a pena ver? Rever? Inventar?
Você tá sempre aí
Porque ninguém te diz pra onde ir
e você sofre demais pra sair do lugar

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

A minha ressaca literária é de lei.



Não foi culpa sua, sempre fui assim. Minha tristeza é só minha. Meu choro é só meu. Esse escuro só eu entendo. E eu não fico nada bem quando você vem com essa luz na minha cara, droga isso quase me cega. 

segunda-feira, 1 de julho de 2013

sobre seu blog

Cala a boca.
Seus textos são irritantes.

terça-feira, 7 de maio de 2013

Eu tô tão perdida quanto você.


Eu não sinto nada. Não sinto afeto por ninguém. 
Eu só tenho um buraco na alma e tintas jogadas nos olhos.

Eu tranzo por necessidade de alguém que eu nem conheço. Eu choro porque minha alma suplica por alivio. Eu durmo porque meu corpo se cansa fácil demais. 

Eu desaprendi a escrever depois que você entrou, pela ultima vez, naquele maldito ônibus pra são Paulo. Eu tô amarrotada de lembranças suas. Eu sinto toda noite que vou explodir de saudade. Eu durmo com a tua almofada. Eu fumo o cigarro que você fumava. Eu passo horas naquela esquina que agente bebeu. Eu faço o caminho que fazia com você chorando, soluçando. Só pra tentar matar a saudade. E não posso nem te ligar pra contar isso, porque é meu dever te deixar seguir em frente. Mas não dá! Não da pra aceitar que você ta bem. Porque eu to uma merda.

mais uma vez, sobre você
vitor.

Alinne F.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

cigarros me lembram você.

Eu odeio cigarros, mas eu fumo porque cigarros me lembram você. E é como se você tivesse do meu lado de novo, fumando aquele maldito marlboro de filtro vermelho. Falando sem parar dos roles em Sampa. E me olhando entre a fumaça branca que saia da sua boca. Eu sinto saudade até do beijo molhado com gosto de nicotina que você me dava no fim da noite. Vitor, eu tô enlouquecendo longe de você.
Alinne F.
Me coloca pra fora de uma vez Diz que é pra eu ir embora mas não me deixa ouvir tua voz Porque assim só de te escutar toda a minha coragem vai embora. Coloca as minhas coisas todas em um lugar só Diz que não tem mais tanto espaço assim Eu que já não quero nada disso acho mesmo que o motivo pra deixar tudo por aí. É que eu penso em voltar, sempre.

quinta-feira, 4 de abril de 2013


quarta-feira, 13 de março de 2013

você lê isso?


Você não vê o sangue durante a noite. 
Você não sabe dos lugares que eu me escondo. 
E nem que eu sinto sua falta...
Agora sabe...
ou não.

quinta-feira, 7 de março de 2013

Eu virei poeira vitor,

virei pó de estrela.

oi?

tem alguém ai?
alguém lembra meu nome?
por deus, quem sou eu?

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Porra

eu quero morrer.
hoje.
por
favor.
por favor.

domingo, 17 de fevereiro de 2013


Eu ainda não reli a carta que me escreveu.
Não tenho coragem.
Eu sou uma fraca. Eu sei.
Eu beijei 3 caras depois que você foi embora.
E quer saber como eu me sinto agora?
Uma puta.
Uma puta barata de esquinas sujas.
Mas não fica bravo comigo, apenas sinta dó de mim.
Dó porque eu não tenho mais você.
Sinta dó, por eu ter achado que você não era o suficiente. 
Você foi.
Por um tempo.
Alinne.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

sobre esse mes. esses meses...


Eu odeio janeiro. Odeio o calor que faz de manhã. As chuvas que cai perto das 17hs. Eu odeio acordar tarde. Odeio as musicas alegres e os sons dos passarinhos cantando nos domingos. Odeio carnaval, aniversários, começos de aulas. Odeio filas. Comidas rápidas. Cores quentes. Lojas cheias. Eu odeio escrever sobre o quanto odeio as coisas. Odeio ser infantil. Pratica. Arrogante. Inútil.

Odeio começos. Recomeços.

Alinne F.